Get Social With Us
alvaro henrique | CD’s
20143
page-template-default,page,page-id-20143,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,select-theme-ver-2.7,wpb-js-composer js-comp-ver-4.5.3,vc_responsive
    CD Suite Candanga

    O CD Suite Candanga apresenta obras de um projeto do violonista Alvaro Henrique para homenagear os 50 anos de Brasília. Quando da elaboração do projeto, o músico estudava na Alemanha e queria fazer da sua cidade natal a musa de novas obras. Foram encomendadas três composições inéditas, uma para um compositor que vive em Brasília (Jorge Antunes), outra para um compositor que vive em outro estado (Carlos Alberto da Silva) e uma para um compositor que vivia em outro país (Mario Ferraro). Completa o repertório um arranjo de Alvaro Henrique da Grande Fantasia Triunfal sobre o Hino Nacional Brasileiro, obra do pianista estadosunidense Louis Moreau Gottschalk.

    Após esse repertório ter sido mostrado para plateias do Brasil e do exterior (Namíbia, Jamaica, Estados Unidos, Finlândia, Suíça), em 2014 as músicas estão sendo lançadas pelo selo dos EUA Centaur Records (http://centaurrecords.com/store/crc-3321-suite-candanga.html).

    A Gravação foi feita no Estúdio Virtual (DF), com o técnico de som Wladimir Barros, mixagem e masterização no estúdio Anima13 (SP), com Alvise Migotto, e conta com fotos de Leon Rodrigues (RS / Nova York).

    Abre o CD a “Grande Fantasia Triunfal sobre o Hino Triunfal Brasileiro”, de Louis Moreau Gottschalk. A composição é uma série de variações virtuosísticas sobre o hino brasileiro, aqui interpretada num arranjo para violão de Alvaro Henrique.

     

    Em “A Reconstrução de Brasília”, o pernambucano Carlos Alberto Silva parte da melodia do hino à bandeira para recriar a utopia do “espírito de Brasília” no século XXI.

     

    Na “Pequena Suite Candanga”, Mário Ferraro nos brinda com uma obra em cinco movimentos que descreve características da capital federal (como a beleza do pôr-do-sol no Planalto Central ou a singeleza das flores do Cerrado).

    Jorge Antunes, carioca radicado em Brasília há mais de 30 anos, em “Brasília 50”, escreveu uma obra em que cada movimento retrata um evento histórico ocorrido nos 50 anos de Brasília, que incluem a morte de John Kennedy, o assassinato de Vladimir Herzog, o AI-5 e o tricampeonato da seleção brasileira de futebol. Para violão e tape, a gravação no tape inclui trechos de entrevistas, discursos e outras músicas que ajudam a contextualizar o evento histórico que está sendo retratado.

    CD Alvaro Henrique

    O instrumentista brasiliense, aluno em São Paulo na USP e de Alvise Migotto, lança seu primeiro CD, em que percorre um largo afluente da música para violão, desde o que poderia ser um de seus nascedouros, a música para alaúde do inglês John Dowland, até desembocar em dois geniais compositores (e violonistas) do século que passou: os brasileiros Heitor Villa-Lobos e Garoto. Villa-Lobos, apontado como um dos maiores responsáveis pelo resgate e ascensão do status do violão na música de concerto, é o único autor a aparecer com mais de uma obra, Cinco prelúdios e o Estudo nº 11. Além destas, Henrique selecionou para o seu disco de estréia peças de Dowland – Earl of Essex, his Galliard, J.S. Bach – Prelude BWV 1006a, Giuliani – Grand ouverture, De Falla – Hommage pour le tombeau de Debussy, John Duarte – Prelude, canto and toccata e Lamentos do morro de Garoto, um samba que evoca o ambiente carioca.

    CD Jean Goldenbaum

    O segundo CD do compositor germano-brasileiro Jean Goldenbaum traz obras para orquestra e de câmara, uma parte delas gravada em estúdio e a outra em apresentações ao vivo ocorridas na Áustria, na Finlândia e no Brasil.

    Alvaro Henrique participa nas faixas iniciais e finais do CD, os Concertos “Ode to Friendship”, para flauta, violão e orquestra (Vaasa Sinfonietta, regida por Ville Mankkinen), e o Concerto “May All Dictators Fall” para violão e orquestra de violões, ao lado da Camerata de Violões da Universidade Federal de Uberlândia (UFU)